Sociedade

Só um em cada quatro portugueses acredita ter dinheiro para a velhice

Estudo da União Europeia feito nos 28 Estados-membros revela que ter emprego nem sempre protege contra a pobreza, assegura que apenas 1 em cada 10 trabalhadores sente ter o seu emprego seguro nos próximos seis meses, enquanto 17% dos europeus sentem não ter capacidade para custear cuidados primários de saúde

Os portugueses temem ter de enfrentar a velhice sem rendimentos capazes de lhes assegurar uma vida digna e com condições mínimas de conforto. Este é um dos resultados do relatório agora publicado pelo Eurofound 2018, uma estrutura da União Europeia, intitulado “Social Insecurities and resilience”, resultante de um inquérito feito em 2016 nos 28 Estados-membros. O objetivo consistia em avaliar os níveis de segurança percecionados pelos europeus em áreas tão diversas como a saúde, a velhice, o emprego, ou mesmo na sua vida quotidiana.

Os gregos são os mais preocupados com a velhice, logo seguidos de Espanha e Portugal, com os dois países ibéricos a apresentarem níveis de receio muito similares. Austríacos, suecos e dinamarqueses são os menos amedrontados, com uma taxa de preocupação a oscilar entre os 36% da Áustria e os 23% da Dinamarca. No topo da lista os números chegam a um máximo de 88%, para as mulheres gregas, e 75% para as espanholas e portuguesas, com 72% para os homens.

NÍVEL DE RECEIO SOBRE RENDIMENTOS INSUFICIENTES NA VELHICE

Em percentagem
mw-320 Só um em cada quatro portugueses acredita ter dinheiro para a velhice

Nota: a tabela mostra as percentagens de quem indicou níveis de preocupação de 6 a 10, numa escala de 0 a 10. Fonte: Eurofound 2018

Há uma diferença de género no grau de receio em enfrentar a velhice sem rendimentos adequados. O estudo sublinha que as mulheres passam, em média, menos tempo empregadas que os homens, o que acaba por ter consequências nas pensões recebidas. O problema é, porém, geral, já que, diz o relatório, “há uma grande preocupação em muitos círculos políticos de que o crescimento da população idosa e os constrangimentos nas capacidades dos sistemas de pensões” possa resultar num crescente número de pessoas com baixos rendimentos após a reforma.

Há, em todo o caso, um problema que não pode ser ignorado no que respeita às mulheres. O relatório confirma que, na UE, “as mulheres têm mais tendência para estar preocupadas com o facto de os seus rendimentos após a reforma não serem suficientes”.

mw-320 Só um em cada quatro portugueses acredita ter dinheiro para a velhice

As mulheres expressam mais receio pela velhice do que os homens

FOTO TIAGO MIRANDA

As diferenças de expectativas entre homens e mulheres são particularmente acentuadas em países como a Eslováquia, Bulgária, Suécia e Letónia, embora sejam igualmente elevadas na Dinamarca, Bélgica, Holanda, Reino Unido, Finlândia, Eslovénia e Estónia.

EMPREGO NÃO PROTEGE DAS INSEGURANÇAS

O relatório avança ainda com um dado curioso relativamente a Portugal e Espanha. Os dois países apresentam, neste aspeto, apenas ligeiras diferenças entre homens e mulheres, quando comparados com a Suécia ou o Reino Unido. Porém, “em Portugal e Espanha, até mesmo os homens têm consideravelmente mais tendência para revelar elevados níveis de preocupação do que as mulheres” suecas ou britânicas.

Outra questão central colocada pelo relatório relaciona-se com uma pergunta simples: “O emprego protege contra as inseguranças?”. A resposta é não. É verdade que, no geral, sublinha o Eurofound 2018, a existência de um emprego, ao proporcionar um salário e proteção social, será vantajosa em relação a quem está desempregado. Contudo, recorda o estudo, o chamado Pilar Europeu dos Direitos Sociais reconhece que “o emprego nem sempre protege contra a pobreza e reclama a adoção de políticas capazes de combater este problema”.

mw-320 Só um em cada quatro portugueses acredita ter dinheiro para a velhice

O emprego nem sempre protege contra a pobreza

GETTY

Acresce o problema da segurança no emprego. Uma das questões colocadas no inquérito pretendia averiguar a probabilidade de os inquiridos perderem ou não o seu emprego num prazo de seis meses. Depois, caso isso acontecesse, perguntava que hipóteses teriam de encontrar um novo emprego com salário similar. Os mais jovens lideram a perceção de poderem ficar sem emprego dentro de meio ano, enquanto os mais velhos sentem que dificilmente encontrariam um novo trabalho com nível salarial semelhante. O inquérito revela que apenas um em cada dez trabalhadores (11%) da União Europeia percecionam elevados níveis de segurança no emprego.

SÓ 1% DOS EUROPEUS SENTEM ELEVADOS NÍVEIS GERAIS DE SEGURANÇA

Os cuidados de saúde estão também no topo das preocupações manifestadas. Segundo o relatório, é hoje um dado adquirido que “muitas pessoas têm problemas no acesso a cuidados de saúde devido a vários fatores, inclusive os custos”. Enquanto as preocupações quanto à acessibilidade aos tratamentos dentários e de doenças mentais são muito comuns, também é referida insegurança “quanto à prestação de cuidados básicos de saúde, como os cuidados primários”.

Chega aos 22% a quantidade de inquiridos para quem seria muito difícil cobrir as despesas relacionadas com pelo menos um de cinco serviços de saúde apontados: tratamento dentário, doenças mentais, hospitalização ou serviços especiais, tratamentos de emergência e cuidados primários. 32% indicam que não teriam possibilidade de atender às necessidades de tratamento de todos aqueles serviços em simultâneo.

mw-320 Só um em cada quatro portugueses acredita ter dinheiro para a velhice

Receio de não poder suportar despesas com a saúde é uma das preocupações dos europeus

FOTO JOSÉ CARLOS CARVALHO

Uma nota positiva do estudo é a constatação de que “a perceção de segurança no sistema de saúde na EU tem um nível tal”, que, apesar de tudo, há a sensação, mesmo entre os 34% com mais carenciados, que acabaria por não haver dificuldades em cobrir qualquer dos tratamentos referenciados.

Ao estabelecer os níveis de insegurança em múltiplas áreas, o estudo não deixa de referenciar a recente crise económica e financeira como um elemento chave. “A crise demonstrou que mesmo pessoas que normalmente não se encontrariam em situações vulneráveis, podem de repente ficar em risco de perder o emprego, ficar sobre endividadas, ou incapazes de pagar os seus seguros de saúde”.

Resulta daqui que “as pessoas que se sentem incapazes de pagar tratamentos de saúde, se essa necessidade se colocar, inclui, não apenas os grupos com baixos rendimentos, mas também muitas pessoas com rendimentos médios ou pessoas que, aparentemente, antes não teriam problemas para cobrir os custos com saúde”.

O estudo revela, por fim, que apenas 1% dos europeus goza de elevados níveis de segurança em todos os itens considerados: pessoal, em casa, saúde, emprego, ou nos rendimentos na velhice.

Origem
Expresso
Mostrar Mais

Artigos relacionados

Back to top button
Close