Negócios

Cirque du Soleil esplendor e ruina: cronica de uma queda em 3 meses

A crise viral traz à luz a fraca situação financeira do império da cena canadiana. Estudada durante anos como modelo de gestão, a empresa tem uma dívida de 815 milhões de euros.

No dia 8 de Março, poucos dias antes de ser decretado o estado de alarme em Espanha para o coronavírus, o desenhista catalão Mateo Amieva regressava de Doha a Barcelona, onde tinha actuado no espectáculo Messi 10, uma das mais recentes produções do Cirque du Soleil . Não sabia então que esses espectáculos seriam os últimos daqui a muito tempo. Uma semana depois, todos os teatros e tendas do mundo foram encerrados devido à pandemia e, paradoxalmente, a paragem afectou mais fortemente a empresa que deveria ter mais reservas para a enfrentar, a maior empresa de produção de espectáculos do mundo, com um capital inimaginável para qualquer outra empresa do sector. Pelo contrário, uma combinação de factores passados e presentes conspirou para desencadear uma tempestade perfeita que conduziu a uma ameaça de falência que causou estupor: como é possível que um império que não parou de crescer desde a sua fundação em 1984 tenha desmoronado em apenas três meses?

Não é só o coronavírus que é culpado. A pandemia chegou para alertar uma organização que tem uma dívida de 815 milhões de euros nos últimos cinco anos e que é actualmente protagonista de uma novela comercial envolvendo o co-fundador e antigo proprietário Guy Laliberté, o conglomerado de meios de comunicação social canadiano Quebecor e as três empresas de investimento internacionais que partilham a propriedade do grupo. Laliberté declarou na semana passada que estava disposto a comprar a empresa de volta para a tirar do buraco, e o Quebecor também manifestou o desejo de injectar capital, embora de momento não o possa fazer, dizem os seus directores, porque os actuais gestores recusam-se a divulgar as suas verdadeiras contas. Estes últimos, por sua vez, acusam o Quebecor de fazer lobby para desvalorizar as acções e adquirir a marca a um preço de pechincha.

circo Cirque du Soleil esplendor e ruina: cronica de uma queda em 3 meses

Guy Laliberté (à esquerda), fundador da Circo del Sol, com Mateo Amieva no Outono em Barcelona / CORTESIA DE MATEO AMIEVA

Mas o único que tem colocado dinheiro real em cima da mesa até agora é o Governo do Quebeque, que aprovou um crédito de 182 milhões de euros para evitar que um dos maiores orgulhos desta região canadiana se afunde, para além de uma importante fonte de dinheiro para a região. O Cirque du Soleil nasceu e está sediado em Montreal, onde trabalham cerca de 5 000 pessoas. Agora, 95% são temporariamente despedidos, aos quais se devem juntar os artistas e técnicos dos vinte espectáculos que estão em digressão, aproximadamente uma centena por produção. Com o dinheiro recebido do Estado, mais outros 45 milhões de euros injectados pelos proprietários no início de Maio, a empresa mal tem o suficiente para pagar os 150 milhões de que necessita para reembolsar os bilhetes dos espectáculos cancelados.

Os trabalhadores, porém, permanecem calmos. O facto de o Governo do Québec ter vindo em socorro da empresa indica que não a vai decepcionar. “Continuamos optimistas. Até agora, a empresa não cancelou nenhum espectáculo, apenas adiou as actuações que estavam previstas para os próximos meses”, diz Amieva. Ele tinha planeado viajar para Buenos Aires nos próximos dias para continuar a digressão do Messi 10, mas já foi informado de que as actuações foram remarcadas para a próxima temporada. “Temos sempre pausas durante as quais não somos pagos, mas os salários dos passeios compensam isso. A pausa vai ser mais longa agora e teremos de suportar o máximo possível”, acrescentou o artista, que trabalhou durante 12 anos nas produções fixas do Circo del Sol, em Las Vegas.

Guy Laliberté ganhou cerca de 1,4 mil milhões quando vendeu a sua parte em 2015
O site da empresa, de facto, mantém a venda de bilhetes para os vinte espectáculos que tem em actividade. A primeira a ser vista na era pós-pandémica já é conhecida e está mesmo ao virar da esquina: O País da Fantasia retomará esta semana as suas actuações na cidade chinesa de Hangzhou. Aparentemente, ainda está tudo a acontecer na frente artística.

Mas, no plano financeiro, o futuro é muito sombrio. Pouco resta daquela próspera empresa que foi estudada como modelo de gestão criativa e inovadora. “Foi o exemplo perfeito da chamada estratégia do oceano azul, que consiste em criar novos nichos de mercado, um produto que gera uma procura anteriormente inexistente. Após 20 anos de crescimento sem parar, a fórmula começou a ter cada vez mais imitadores e isso obrigou-os a produzir espectáculos mais caros para se diferenciarem”, explica Bruno Cassiman, professor da escola de negócios do IESE, especializado em estratégia empresarial.

Necessidade de capital
A necessidade crescente de capital levou a Laliberté a introduzir três grandes empresas de investimento em 2015.

Mostrar Mais

Artigos relacionados

Back to top button
Close