Negócios

“Exército invisível” já deu trabalho a 11,5% dos portugueses

Portugal é o terceiro país europeu com maior percentagem de empregados em plataformas digitais.

A digitalização da economia e a multiplicação de plataformas eletrónicas está a criar um novo fenómeno no mundo do trabalho, ao qual a Organização Internacional do Trabalho (OIT) até já deu o nome de “exército invisível”, devido à dificuldade em perceber concretamente quantas pessoas trabalham para estas plataformas. Portugal é o terceiro país no que respeita à maior percentagem de trabalhadores que, em algum momento, já prestaram serviço para uma plataforma (11,5%), só ultrapassado por Espanha (12,5%) e pelo Reino Unido (12%).

Neste conceito de plataformas digitais, há espaço para várias categorias de trabalho, desde a prestação de pequenos serviços, como tradução ou revisão de texto, até à entrega de comida, como a Glovo, ou de transporte público, de que é exemplo a Uber.

Os dados da Comissão Europeia (CE), relativos a 2017, foram feitos através de um inquérito online, chamado JRC Colleem e divulgados através do documento Digital Labour Platforms in Europe. O objetivo de Bruxelas é perceber como funciona este tipo de mercado, qual o perfil do trabalhador e que peso tem para o rendimento destes cidadãos.

Este retrato revela ainda que, em Portugal, 2,1% dos inquiridos referem o trabalho para plataformas digitais como a sua principal ocupação (quando pelo menos 50% do rendimento é obtido através destes trabalhos e/ou trabalham 20 horas semanais para as plataformas). Um número que fica aquém dos 3,6% do Reino Unido, país onde se encontra a maior percentagem de trabalhadores que tem as plataformas digitais como ocupação principal. Os segundo e terceiro lugares são ocupados pela Holanda (2,8%) e Espanha (2,7%).

PESO NO RENDIMENTO

O inquérito da CE revela ainda que 6,4% dos trabalhadores portugueses já realizaram serviços para plataformas digitais mas de forma esporádica (menos de 25% do rendimento através de plataformas e/ou zero a dez horas semanais de trabalho) e 1,8% deles consideram que é um trabalho secundário, em que pelo menos 25% do rendimento provém de plataformas.

De quem se trata

O conceito do exército invisível foi explicado, em abril, por Uma Rani, investigadora da OIT, em entrevista do Dinheiro Vivo/JN. “É uma espécie de exército invisível de trabalho, que está disponível globalmente e pronto a trabalhar”, em que a ligação entre as duas partes é estabelecida através de meios eletrónicos.

Número por apurar

Para a investigadora, este tipo de trabalhos está a criar uma categoria de trabalhadores, em número difícil de apurar, sem proteção laboral, num setor que “precisa de ser mais transparente”, nomeadamente na forma como são disponibilizadas as tarefas aos trabalhadores. Também não se sabe quanto ganham.

Origem
JN
Mostrar Mais

Artigos relacionados

Back to top button
Close